Projeto Arquitetônico IV – Primeira fase

Esse foi minha primeira fase de P4. Foi uma analise do campus da UFOP e do prédio que ficou a meu grupo, no caso o ICEB. Depois apresentamos nossa proposta de equipamento publico para o mesmo.

Para ler todo o exercio vá em continuar lendo, mas acredito que não é necessário.

Este slideshow necessita de JavaScript.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, ESCOLA DE MINAS

DISCIPLINA: PROJETO ARQUITETÔNICO IV

Profa.: Cláudia Arcipreste

EXERCÍCIO 1/ ORIENTAÇÕES GERAIS

OBJETO/OBJETIVOS

Este exercício toma como objeto de estudo o campus da Universidade Federal de Ouro Preto e algumas de suas edificações, buscando a compreensão do seu contexto e do cotidiano de uso dos seus espaços para posterior intervenção projetual nos exercícios 2, 3 e 4 da disciplina.

ATIVIDADES

Neste exercício, cada grupo deverá:

1. Fazer análise/diagnóstico geral do contexto do campus da UFOP, de acordo com as orientações abaixo.

2. Analisar especificamente um dos prédios do campus, a ser definido, de acordo com as orientações abaixo.

3. Definir área potencial para intervenção, bem como as demandas de utilização/acontecimentos dos espaços.

4. Fazer estudo de obra/problema análogo ao que será desenvolvido no projeto.

ENTREGA/ SEMINÁRIOS DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS

Seminário 1 – Diagnóstico do contexto e do edifício + Definição da área e demandas da intervenção – dia 28/03.

Seminário 2 – Estudo de obras/problemas análogos – dias 01/04 e 04/04

O trabalho deve ser entregue em arquivo PowerPoint contendo mapas, desenhos técnicos e croquis, fotografias e outros elementos, sempre com informações e comentários necessários para compreensão das reflexões do grupo.

Seguem abaixo orientações gerais para este estudo, com aspectos gerais que todos devem contemplar. Contudo, não se trata de um roteiro fixo, todos podem e devem reelaborá-lo, acrescentando questões julgadas importantes.

SOBRE A ANÁLISE/DIAGNÓSTICO DO CONTEXTO

Análise da paisagem urbana – avaliar aspectos positivos e negativos que influenciam na qualificação da paisagem, bem como os conflitos, transgressões e problemas gerais percebidos.

Relações do campus com a cidade, em seus aspectos físicos e simbólicos.

A topografia, seu impacto na paisagem e na organização espacial existente.

Traçado e hierarquias viárias, condições espaciais e de uso – centralidades, eixos ordenadores, eixos de percurso significativos, perspectivas marcantes, transito de automóveis e pedestres, estacionamentos, etc.

Tipologias predominantes nas edificações: altimetrias, elementos dominantes, afastamentos, características arquitetônicas gerais dos edifícios. Os diversos usos e sua distribuição na organização espacial.

Elementos de qualificação dos espaços: imagens expressivas, relações público/privado,

perspectivas e eixos visuais significativos; elementos arquitetônicos e paisagísticos importantes.

Mobiliário urbano existente (ou não) – abrigos de ônibus, bancos de praça, lixeiras, telefones públicos etc.

Modos de uso dos espaços em seu cotidiano, condições e maneiras de apropriação (ou não) dos espaços.

SOBRE A ÁREA E DEMANDAS DA INTERVENÇÃO PROPOSTA:

Analisar as condições de inserção do terreno na paisagem.

Contexto de vizinhança e entorno imediato – edificações próximas, acessos possíveis, condições de vias, arborização e paisagismo existente, elementos construídos existentes, etc.

Dimensões, forma e proporções do terreno em relação aos espaços ocupados e aos vazios próximos.

Eixos dominantes, visadas e perspectivas do/para o terreno.

Insolação, sombreamentos, ventos dominante.

Especular como o projeto irá funcionar e interferir no espaço e na vida das pessoas. Indicar características do local, usos, usuários; possíveis impactos e conflitos sobre o entorno, vias, tráfego, vizinhança e outros aspectos importantes.

Antecipar diretrizes básicas da proposta como possíveis relações a serem estabelecidas com edificações, áreas vizinhas e vias; hierarquias de acessos pertinentes, eixos de visadas e percurso; outros elementos importantes.

SOBRE A ANÁLISE DE EDIFICAÇÃO ESPECÍFICA DO CAMPUS

Inserção urbana dos edifícios/implantação

caracterização do contexto,

relações do edifício com a vizinhança – situação urbana, usos das edificações vizinhas, volumetria do entorno,

relações do edifício com as ruas – vias de acesso e tráfego de veículos, solução/ hierarquias dos acessos,

adequação do edifício à topografia,

Organização espacial

atendimento das demandas funcionais

relações entre os espaços – setorização/ fluxos/ articulações

dimensionamentos dos espaços,

condições para acessibilidade universal, incluindo  pessoas em cadeira de rodas;

Qualidade da ambiência dos espaços

conforto térmico – uso de sistemas de controle de insolação;

conforto acústico,

conforto da iluminação – natural e artificial

materiais de acabamentos empregados, texturas, cores, etc.

Linguagem e possibilidades abertas para a experienciação dos espaços

forma/volumetria interna e externa;

aspectos simbólicos considerados nas relações forma/função, edifício/sítio, edifício/contexto sociocultural

possibilidades de interação usuário/espaço, possibilidades de apropriação dos espaços em seu uso cotidiano.

Aspectos técnicos

sistema estrutural,

detalhes construtivos  empregados.

SOBRE O ESTUDO DE CASOS/PROBLEMAS ANÁLOGOS

A partir de pesquisa bibliográfica, analisar projetos que se relacionem com os problemas do tema proposto pelo grupo, como usos, organização espacial, conceituação, condições de acesso e implantação, relações com entorno e edificações vizinhas, fluxos internos, ou outros aspectos pertinentes.

As análises deverão seguir o mesmo roteiro proposto para a análise da edificação do campus.